top of page
  • Foto do escritorVale PCD

Os desafios enfrentados pela população negra e periférica no Brasil.

Atualizado: 7 de mai. de 2021


Miguel Otávio, Kaio Guilherme, Rayane, João Pedro, Anna Carolina, Marielle Franco são os nomes de pessoas que foram vitimas da violência atrelada ao racismo existente em nosso pais. O racismo e seus desdobramentos atinge de forma certeira o povo preto, pobre, PcD e da periferia. Estes, são escolhidos como alvo da necropolítica orientada pelo Estado. Todos os dias o sangue preto é exposto nos jornais policialescos de forma insensível. Para os assassinos de plantão, é apenas mais um e pronto; não tem família, não tem história, não tem valor. É para exterminar.


Se formos analisar, é o povo periférico e negro que está como maioria na linha da pobreza e da miserabilidade social, da falta de acesso á recursos básicos como saúde, educação e saneamento básico. E com essa pandemia que estamos enfrentando, as coisas pioram; faltam todos os recursos de higiene para além da comida na mesa. Os pretos e das “quebradas” são maiorias nos obituários e nos casos de infecção do COVID-19.


Pasmem, senhores...


Para as representações políticas, pode faltar tudo para as favelas, mas não pode faltar é o sangue preto jorrando na tela da televisão ao estalar do meio-dia. Queremos a desmilitarização da polícia, queremos educação de qualidade, saúde humanizada, queremos emprego e renda! Uma chance de futuro melhor.


Queremos mulher preta na política.

Queremos LGBTQIA+ sendo juiz.

Queremos periféricos no destaque internacional.


Parem de nos matar!


Coluna assinada por: Diogo Magno

55 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Normalize corpos com deficiência

Quem tem um pouco mais de convivência e intimidade comigo, sabe que eu sempre tive repulsa ao meu corpo, a minha deficiência, desde que completei quinze anos. Eu não compreendia o fato do por que da e

A importância da educação anticapacitista

Oi, minha gente. Tudo bem com vocês? Hoje eu tô aqui para conversar sobre a importância da educação anticapacitista. Tenho visto no meio do ativismo da Pessoa com Deficiência, uma luta para formarmos

Comments


bottom of page