top of page
  • Foto do escritorVale PCD

Episódio #2: Piores dates!

Bora rir do caos, bora trocar e ouvir histórias de coisas engraçadas que aconteceram durante encontros.


Youtube:



Spotify:


Transcrição:

Jess: Olá sejam todos muito bem vindes a mais episódio do Piranhas cast o podcast das Piranhas com deficiência eu sou a Jéssica Fontoura


Beto: Eu sou o Beto Maia


Zé Felipe: Eu sou o Zé Felipe


Beto: E vamos passar vergonha! vamos se expor!


Zé Felipe: eu não vou!


Jess: eeeee! o episódio de hoje é sobre aquele tema que todo mundo já passou por momento “constrangedoressísimo” que não existe como não ser constrangedor! Em algum momento tu vai passar uma vergonha vivendo o que: um date ou o famoso encontrinho!


Beto: Quem nunca?


Jess: Quem nunca, num é mesmo?


Beto: Bora marcar um rolezinho?


Zé Felipe: Eu gente! porque nunca rolou!


Jess: nunca?nem um “Netflix aqui em casa” Zé?


Zé Felipe: Não… a minha história inclusive é de um date que não rolou…


Beto: “tchururu” música triste do Naruto… nem conheço (risos)


Jess: Então Beto, tu é frequentador de dates? Beto:Ah… frequentador é uma palavra um pouco forte assim né? mas… a minha vibe era aplicativo de, vão chamar namoro para ficar uma coisa mais “família”...


Jess: Aquele que faz “blup”... entendi… (risos)

né aquele que tá


Beto: aquilo ali eu já… já já usei muito com finalidade da atividade-fim do aplicativo, porém obviamente já tive alguns dates ai… e esse meu não foi um date ruim assim, sabe? eu inclusive ia deixar de dica para o final do episódio…


Jess: Quer já dar um spoiler?


Beto: é que eu marquei com ele da gente se encontrar num Subway


Jess: Que lugarzinho ruim hein!


Beto: é porque… ah… dois universitários, entre o trabalho e a faculdade…


Jess: ou é Subway ou é RU (restaurante universitário)


Beto: Ou é a coxinha na esquina… pra mim tava ótimo das duas formas, na época eu num era vegano tava tudo tranquilo…


Beto: mas assim, é justamente é isso que vocês estão pensando, não tá fazendo propaganda, longe de mim, mas é impossível comer um Subway e se manter limpo ao mesmo tempo… então eu com esse bigode você já imagina um molho assim… com a cara toda suja,o guardanapo que você pega só metade do rosto e pergunta “tá limpo?” ai tá tudo suja ainda, só tirou uma pontinha sabe? quem nunca? é triste…


Jess: ai tu olha pra aquela cara e tu pensa que aquela cara vai tá em outros lugares, depois de tá sujo de molho barbecue


Beto: hum… gostinho de barbecue


Zé Felipe: Não achei ruim não hein!


Beto: acho que eu fiquei inspirado na verdade, vamo marcar um date dessa forma com o boy agora! haha


Jess: Não julgo, cada um com suas opções! haha


Beto: porque não? bom pra experimentar umas coisinhas diferentes..


Jess: E deu bom?


Beto: eu vou te confessar que eu não lembro se esse dia específico deu bom… mas a gente é amigo inclusive ele sabe que eu tô falando dele…


Jess: você que tá ouvindo ai saiba que é você…


Beto: ele com certeza tá ouvindo porque eu vou fazer questão de mandar esse episódio pra ele…

“da uma escutada nisso aqui que seu nome foi citado”


Jess: eita!


Beto: você bipa que eu vou falar o nome dele! “Fulano”


Jess: beep! haha muito bom! Mas ah gente, eu tenho um passado que me condena, eu já passei por cada uma… cada uma… se eu tivesse que contar cada situação ai… sabe quando tu pensa no passado e queria pular alguns momentos? eu queria pular alguns momentos que a gente vive coisas que às vezes seria melhor não ter vivido, sabe?


Zé Felipe: Mas ai num pode, que dai num teria conteúdo pro episódio de hoje…


Beto: Exato!


Jess: é… você tem um ponto! Tá! vou olhar com mais carinho agora pros meus traumas! (risos)



Beto: vamos entregar a idade novamente né, no DVD da Jess vai falar: “versão de cortes da diretora” todos momentos de vergonha que ela achar ela vai cortar


Jess: aham, bem isso! ah… Aplicativo de namoro é complicado, é o chorume do chorume de Chernobyl reunido em um só lugar. Tudo bem, eu já tive um namoro que saiu de lá e deu super certo por um tempo, beleza


Beto: eu ia fazer essa ressalva, as vezes acontece.


Jess: agora, até um dar certo, tu tem que passar por tanto teste de força, de fôlego para ver se tu realmente quer algo que preste… que cansa


Beto: São as forças devidas, o universo te perguntando “tu quer mesmo namorar Jess?”


Jess: Mas vamos classificar, o quê que vocês entendem como date?


Beto: ah.. encontrar, trocar uma ideia…


Jess: Ah… tá, não é não é necessariamente só ir para o Pente Rala né? É aquele encontrinho, tipo

vamo no restaurante comer…


Zé Felipe: pode ser também…


Beto: Pente e rala também…


Jess: mas se tu vai direto pros finalmentes é um date ou é um…? eu ia fazer um trocadilho…


Beto: agora vai! vai!


Jess: é um date ou é um dado? haha


Beto: Não julgo. Não estou aqui para julgar


Zé Felipe: ah, vamo dizer um encontro com múltiplas finalidades…


Beto: encontrou a pessoa, é date… se foi pra comer ou pra comer, é date…


Zé Felipe: exatamente!


Jess: ahhhh perfeito!

Jess: independente do que for a refeição é um date, OK! estabelecemos isso ai!


Beto: vamos tem isso como métrica!


Jess: tudo bem. Tá, Vamos ler algumas histórias…


Beto: eu achei que não ia puxar sua agora !


Zé Felipe: Fiquei esperando também…


Jess: ah, tudo bem, então assim… eu sei que algumas pessoas estão ouvindo…então assim eu vou contar uma que eu estou até hoje tentando entender, foi a coisa mais bizarra da minha vida a pessoa passou o encontro inteiro com fone de ouvido ouvindo música e cantarolando… é… eu ficava com essas caras sim…


Beto: Mas pra que que sai? tipo… quer ouvir música e cantar fica em casa…


Jess: Eu ainda brinquei “tá com trilha sonora?” e a pessoa tipo “aham….” super cantarolando e me falando o que tava ouvindo… gente… eu fiquei quarenta minutos e fui embora…


Beto: eu não posso deixar de perguntar: você lembra qual música que tava cantarolando?


Jess: Não haha eu acho que eu simplesmente apaguei da minha mente…


Beto: imagino Jess lá no meio do encontro “ah é trilha sonora?” [cantarolando] “I’ll always love you (Whitney Houston)" imagina que coisa linda


Jess: na minha cabeça ela tava querendo recriar um algum musical sei lá, ela ia querer começar a cantar e dançar em algum momento…


Zé Felipe: eu num tenho paciência não, já num gosto nem de musical eu ia ficar “ah não…” tchau querida!


Jess: então assim, dentre os traumas que eu tenho até hoje, esse é só um que eu tenho pra entender o que tá rolando… mas tudo bem, vamos pra história da galera, a gente abriu caixinhas…


Zé Felipe: Pelo menos o teu aconteceu, e o meu que nem aconteceu? eu só fui enrolado e só descobri depois. Eu marquei encontro com a menina, e detalhe a gente se viu uma vez, ficou e era pra encontrar de novo, né?


Jess: ou seja, já tinha tudo pra dar certo!


Beto: repeteco!


Zé Felipe: exato! combinamos o local e tudo mais, cheguei lá e avisei que cheguei e a menina começou a mandar mensagem dizendo que tava tendo uns problemas, num vou dizer quais eram os problemas, vai que ela ouça hehe


Beto: “olha ele ta falando de mim! safado!”


Zé Felipe: então, mas inventou um monte de desculpa que eu não se eram desculpas mas hoje

me conhecendo e parando pra pensar nas coisas que eu fiz eu tenho quase certeza que eu fui enganado, sabe? tipo a menina não quis dizer “não quero ir” e aí inventou um monte de desculpas e pouco depois eu descobri que ela tava namorando na mesma época


Jess: ai gente que horrível…bom tá… eu já fiz dessas de inventar umas desculpas pra não ir, então também não posso…


Zé Felipe: olha revelações!


Beto: coisa feia!


Jess: eu tenho um privilégio que é ao mesmo tempo uma desvantagem que é eu moro na região metropolitana só que meus dates eram sempre em Porto Alegre que é a região central, só que ai as vezes em metia um “ai eu perdi o ônibus” e só num tava afim de ir, tipo assim, porque são horários de ônibus longes um do outro ai eu só dizia “ai perdi o ônibus, num vai tá dando, desculpa, eu sei que tu já ta ai mas desculpa!”


Beto: ai Jess, que coisa… “eu sei que você já está ai”


Zé Felipe: pessoas que marcaram encontro com a Jess..


Beto: manda DM pra gente!


Jess: ops!


Zé Felipe: sim! exposições aqui!


Jess: exposed!


Beto: manda DM pra gente, com sorte a gente lê antes dela!


Jess: é… verdade!


Zé Felipe: tem isso também né, mandem nos nossos directs, que não corre risco dela apagar!


Beto: mais garantia!


Jess: já fiz umas bem não legais assim, eu mereço ter passado por alguns traumas porque também causei alguns traumas, então tudo bem!


Zé Felipe: é sobre isso!


Beto: eu num lembro de ter dado bolo assim, de deixar a pessoa chegar lá… tá? to olhando pra você Jess (risos)


Jess: que bom amigo! eu fico feliz por você não ter feito isso!


Beto: de deixar a pessoa chegar lá, mas tipo assim sei lá 40 minutos antes eu não querer mais, desmarcar. 40 minutos para um date, é meio que em cima da hora eu acho…


Jess: é… a pessoa já tá pronta


Beto: não acho legal mas eu já cancelei ali, mas tipo a pessoa chegar lá “ou, eu to aqui”é mais uma vibe daquilo que o Zé falou, tipo “machuca”, é uma sensação que eu já tive também de pessoas cancelando comigo…


Jess: Nossa eu lembrei agora de uma vez que eu cancelei e voltei atrás e fui, porque assim eu tinha marcado um encontro com duas pessoas no mesmo dia, eu não tinha me dado conta…


Zé Felipe: gente!…


Jess: chegou no dia e eu me dei conta que eu tinha dois encontros no mesmo dia e aí eu cancelei com uma, aí eu tava indo para encontrar com a outra e eu me arrependi, e eu disse… eu não lembro qual desculpa que eu inventei e aí eu fui pra encontrar com a outra…


Beto: tipo, você cancelou os 2 e reviveu 1?


Jess: sim! foi tipo isso! no fim seria melhor ter ido pro primeiro mesmo…


Zé Felipe: as meninas nesse momento, com aquele filtro de instagram de palhacinhas, sabe?


Beto: todas lá “hum… entendi… foi levar sua avó no jiu-jitsu né? entendi”


Jess: é importante manter-se ativa na terceira idade!


Beto: “fui levar meu peixinho dourado pra tomar banho”


Jess: ele tinha aula de natação hoje


Beto: isso! “ah o Nemo tadinho… é a reabilitação dele”


Beto: eu também abri caixinhas, porque curioso que sou…e teve uma aqui, tem duas na verdade, mas tem uma aqui que eu gostei muito! de uma pessoa muito querida minha inclusive, oh! beijo pra você, você sabe que é você porque vou ler sua historinha agora! “fui num date que a menina começou a contar coisas do tipo (coisas dos amigos) ‘ah ele é matador de aluguel, mas é gente boa…’ Fui no banheiro e num voltei mais”, eu faria a mesmíssima coisa…


Jess: nossa! na hora!


Beto: ia fazer tipo “olha lá” [apontando pro nada] e sai correndo pro outro lado…


Jess: na hora eu mandar uma mensagem pra minha amiga “me liga dizendo que precisa de mim” e aí tipo “tchau!”


Beto: me liga, fala que você é minha mãe e fala que minha vó tá no jiu-jitsu e que eu preciso pegar ela! a vó do jiu-jitsu pra mim é a melhor


Jess: que bizarro! a vó do jiu-jitsu é genial! nossa, ainda bem que a pessoa fugiu né, porque imagina… nada contra mas assim.. não é facil se relacionar com uma pessoa..


Beto: nada contra serial killer. Não rola…


Zé Felipe: eu abri também caixinhas né e teve uma que eu fiquei tentando entender, bem curta e direta, fiquei tentando entender que tipo de pessoa faz esse tipo de coisa… “sai com um cara que devia ter uns 45kg e ficava dizendo o tempo todo que eu era obeso…


Jess: ai não! pra que?


Beto: a pessoa já tem uma questão com ela e ainda joga uma questão pra outra pessoa que pode gerar milhões de gatilhos


Jess: sim!


Zé Felipe: eu conheço a pessoa que mandou essas história, e essa pessoa não é nem perto de ser gorda pra pessoa tá chamando a outra de obesa…


Jess: sim, mas mesmo que fosse, qual o direito de uma pessoa tem de chamar… tipo assim, pós date, tu saiu com a pessoa, escolheu sair com a pessoa e tu vai querer diminuir, porque também não é algo a ser diminuído, mas na cabeça de quem usa isso como xingamento, tá diminuindo, tipo a pessoa não tem o mínimo de coerência né? fiquei puta! bem puta!


Beto: bem sério mesmo, galera responsabilidade emocional. não só, digo de você se envolver afetivamente com uma pessoa, mas qualquer relação você pegou com pessoas, igual a Jess falou chegar aí e soltar um… eu num sei nem do que que eu chamo isso… você falar isso para alguém


Jess: Uma opinião grosseira não solicitada..


Zé Felipe: exato!


Beto: é…porque é igual falei, isso pode gerar gatilhos uma pessoa que às vezes não tem questão nenhuma com isso mas pode começar bem ali.


Zé Felipe: acaba se tornando uma questão dela por causa de uma outra pessoa que não tem o mínimo de noção


Jess: é, e isso às vezes impacta pelo resto da vida pessoas, as próximas vezes que ela for sair com alguém ela vai pensar mil vezes antes porque ela vai achar que pode ser um problema então isso pode se transformar num trauma gigantesco. Então assim se a pessoa não te perguntou sobre o corpo dela tu não tem direito de opinar nada sobre o corpo dela. simples

Zé Felipe: a tua opinião tu com guarda para ti se ela não fez solicitada. É isso.


Jess: exatamente!


Beto: não fala que ela parece um pirata!


Jess: para quem não ouviu o episódio anterior…


Beto: quem pegou, pegou!


Zé Felipe: e você Jess?


Jess: eu recebi uma história sensacional aqui digna de uma cena de filme da Sessão da Tarde! essa história tem dramaturgia! essa história está incrível! eu vou ler ela e eu quero que vocês imaginem a cena, beleza?

“um carinha que trabalhava comigo tentou por um ano me levar para sair, até que um dia resolvi dar uma chance, mesmo sabendo que onde se ganha o pão não se come a carne!” já fica aí o primeiro ensinamento.

“Mas vamos lá e convidou para o baile”

A gente vê também a idade da pessoa da nossa audiência que enviou a história!

“meu pai surtou porque não queria que eu saísse com o fulano”

Oh, segundo eu, não ouvi o pai, pai sempre sabe!


Beto: Vou tomar notas disso daqui…


Jess: vai anotando!


Zé Felipe: nem sempre galera! nem sempre…


Jess: é… tá… é… hehe tem excessões!

“bom, banho ok, perfume ok! tudo lisinho! roupa ok, sapato ok”


Beto: adoro!


Jess: “segurança, se é que me entende, ok! o Fulano chega pra me buscar em casa” olha que chique, ele foi buscar em casa! “aí ele tava num Passat velho, muito velho Passat aqueles carrão de velho hoje em dia


Beto: na edição a gente põe um flash, uma fotinha aqui de um Passat!


Jess: quando ela olhou, ela pensou “gente isso ainda existe? mas ok, ele desceu abriu a porta, provavelmente porque tinha um esquema que todo o carro velho tem” Só o dono sabe abrir a porta!


Beto: Está sendo gentil? não, o carro que ó…


Zé Felipe: cavalheirismo? na na ni na não!



Jess: "Entrei, sentei e nessa hora ele fechou a porta. Nessa hora ele bateu a porta com tanta mas tanta força que quase voei para o outro lado do carro” O carro tem um jeitinho para abrir e um jeitinho pra fechar. nesse momento ela pensa “Ah não pode piorar” isso que o universo entendeu como um desafio e piorou!


Zé Felipe: esse é o erro!


Jess: esse é o erro do brasileiro! “quando o Fulano da partida o carro simplesmente não liga! ele tenta tenta tenta e nada, aí liga ela já tava morrendo de ódio de vergonha, o vizinho da casa da frente já tava na porta olhando, o vizinho do lado já tava na janela olhando, e ela lá roxa dentro do maldito carro, até que o carro pega? não! ele abre a porta e empurra! ele vai empurrando o carro rua baixo e nada! e até que ele parou ligou para o cunhado. O cunhado veio correndo em outro carro velho mas que pelo menos andava, ajudou empurrar o maldito carro deles. Aí então eu só queria descer e entrar em casa mas não ia dar esse gostinho para o meu pai!” ou seja ela insistiu só para mostrar para o pai que ela ia sair com o boy!

“Fui para o baile fedendo a pêlo queimado, aquele cheiro típico de carro velho!


Zé Felipe: muito bom!


Jess: “não deu em nada! na volta o carro pegou e era isso” bom, pelo menos deu em uma boa lição e sabemos que isso só aconteceu porque tentou pegar alguém do trabalho!


Zé Felipe: poderia ser pior!


Beto: é…num sei se o Zé pensou a mesma coisa que eu, mas eu vi dois pontos muito importantes aí: ela não teve que descer para empurrar o carro, que eu já achei muito bom, veio alguém socorro


Zé Felipe: exato!


Beto: e segundo e mais importante: a volta do baile que já ia tá cansada… mais tarde da noite o carro pegou de primeira imagem se o carro não pega na volta, não vai ter cunhado que vai…


Zé Felipe: imagina se tinha que chamar o pai para ir buscar ela porque o carro não pegou?


Beto: eu acho que ela dormia no carro..


Zé Felipe: verdade!


Beto: ainda falava pro pai “acabou que a gente foi pro motel, dormimos e tal…” mas não ia dar o braço a torcer pro pai nem…


Jess: nunca! mas que coisa constrangedora, né? porque tipo “será que eu desço, faço força, estrago meu look, empurrando um carro enferrujado? ou pego minha bolsinha e vou embora?


Zé Felipe: se sou eu, eu diria “olha, sinto muito, tá? numa próxima… beijo eu vou deitar e você fica ai”


Beto: nada! o Zé ia falar “senta ai no meu colo que eu te levo” e acelera!


Jess: aperta no meu acelerador e vamo!


Zé Felipe: só não poderia querer que eu puxasse o carro com minha cadeira!


Jess: Nossa agora eu pensei “será possível?” haha


Beto: é haha! pensei na mesma coisa! haha minha vontade é viajar pra tua casa amanhã e fazer esse teste! o quão longe eu moro do Zé, deixa eu abrir o Maps aqui!


Jess: em quanto tempo eu chego se eu pegar o ônibus agora?


Beto: é tipo isso!


Zé Felipe: eu acho que é uns 4 dias de viagem hein galera!


Jess: Eita! é… vai demorar um pouquinho! tá, mas Zé, não funciona? tu não conseguiria puxar um carro?


Zé Felipe: não! minha cadeira num é tão potente


Beto: em ponto morto eu acho que dá, não?


Jess: é…


Zé Felipe: só se tivesse a mocinha lá empurrando o carro junto! assim numa ladeira quem sabe?


Jess: ah tudo bem, acho que vale a gente tentar um experimento!


Zé Felipe: teve uma que eu gostei que teve até título “prometeu horrores e cumpriu nada!” a famosa propaganda enganosa, né gente?

“no zap e insta o boy era fofo, safado até o limite e as fotos que ele mandava eram ‘emojis safadinhos com emoji de foguinho do lado’ alguns dias depois marcamos um date e na hora ele quase não saia do celular quando finalmente deixou o celular de lado não tinha papo, parecia até outra pessoa conversando comigo. Pra encurtar a história, na hora que ele sentou mais um pouquinho, o boy beijava mal pra caramba, não tinha química, e quando ele tirou a roupa foi a decepção, sabe? não condizia em nada com as propagandas, mas é aquela coisa tamanho não é documento, é só saber fazer gostoso! mas ele não sabia…


Beto: não! ah Jesus! oh..


Zé Felipe: enfim, foi frustrante e pra piorar descobri que ele namorava, e não o outro não sabia dos rolezinhos que ele fazia…


Beto: eu não sei se eu to com dó da pessoa do date ruim ou da pessoa que namora…


Jess: Esse cara é o combo do chorume, entendeu?


Zé Felipe: então essa pessoa que era namorada dele, que a gente não sabe se é ainda até hoje, se contenta com coisa feia, por que beija mal, não sai direito


Jess: Não larga o celular , esse deve ser parente da menina do fone, porque coisa mais bizarra é date e ficar prestando atenção em outra coisa…


Beto: a gente podia juntar os 2 né?


Jess: podia quem sabe ai?


Beto: vamo tentar juntar esse 2 ai gente?


Zé Felipe: sim, ficaria perfeito!


Beto: pessoas do Brasil ai, escreve pra gente na DM


Jess: vocês sabem que são vocês, escreve pra gente que vamos juntar esse casal! vai ser o date mais chato do mundo!


Beto: eu prometo que essa vai ser a última exposição que eu vou fazer.. hoje


Jess: pelos próximos 15 minutos!


Beto: isso!


Zé Felipe: gente! a gente esqueceu de uma!


Beto: quem?


Zé Felipe: e a do boy que contou de uma pessoa que esqueceu a prótese!


Jess: eu amooooo!


Beto: ai gente! eu mais chocado que essa mensagem chegou, porque eu não falei nada!


Jess: eu amo essa história Brasil! Conta Beto!


Beto: não! conta Jéssica! Conta você


Jess: Tá! recebemos na nossa caixinha uma história de alguém que contou que o boy esqueceu a perna na casa do boy! então, amputados do meu Brasil amputados deste podcast, isso é possível de acontecer?


Beto: Claro que é possível! E o pior, eu sei que essa pessoa fui eu! Gente vocês tem que entender que é isso né… importante é ressaltar que eu estava sóbrio! porque bêbado eu nunca esqueci!


Jess: Bêbado tu não esquece a prótese, sóbrio tu chega em cas e percebe que esqueceu a perna na casa do boy!


Beto: exato! eu queria ter percebido né…percebi porque foi ele que mandou mensagem falando “você não tá esquecendo de nada não?” aí ele mandou a fotinha, eu vou te mandar a foto pra você colocar aqui na minha mãozinha, a fotinha da perna contornada. Como que eu falo isso pra minha mãe? “eu vou voltar ali na casa do boy porque eu esqueci a minha perna” minha mãe olhou pra mim com uma cara assim “você num tem vergonha não menino? domingo quase 23 horas”


Jess: “sua piranha”


Beto: só faltou isso! domingo quase 23 horas e isso… ai meu Deus! tá aí agora é sério é a última vez que eu vou me expor mesmo… hoje… e enfim eu não lembro como isso foi acontecer, tá? mas eu lembro que: madrugada e o chat da UOL famigerado! quem nunca? nesse país entrou no chat da uol


Jess: quem nunca que tenha mais de 40 anos?


Beto: Tô indo… quem nunca entrou ali procurando uma coisinha pra dar uns beijinhos? arrumar uns negocinhos e tal… e a pessoa me veio assim né: “não.. porque”, agora isso vai ficar muito adulto, “não, porque eu quero te algemar enquanto eu lhe faço um oral” e na minha cabeça pensando, jovem né nos vinte e poucos anos pensando, “o quê que eu tenho perder com isso?”


Jess: porque não?


Beto: são só 3:30 da manhã vamos lá! peguei um taxi


Jess: com uma pessoa que eu nunca vi na vida…


Beto: é… pedindo… gente vai faz isso amor de Deus. Sabe? tipo… fui. Quando eu cheguei na casa da pessoa, era um lugar movimentado pelo menos, centrão, fiquei menos medroso mas ainda com medo. Na hora que eu cheguei, que a pessoa foi me receber, na hora que ela abriu a porta do apartamento… vocês já viram 50 Tons de Cinza?


Jess: jaaaa


Beto: sabe aquelas cama que é só os corrente pendurada e tem tipo um negocinho…


Jess: meu Deus! (risos)


Beto: na entrada do apartamento, no hall assim… ele abrir a porta, você entrava e a primeira coisa que você via era as correntes.



Jess: que receptivo!


Beto: Eu olhei aqui eu falei assim: “eu acho que eu vou morrer” e ele todo fofo “entra ai” e eu assim “ah ele tá muito fofo para tá querendo me matar”


Jess: quer um chazinho com brioche?


Beto: eu: “em qualquer caso Deus amo minha mãe” entrei. Na hora que eu entrei assim, a única coisa fora do padrão assim no apê, era só essa cama na entrada ali. Eu acho que deve ser pendurado propositalmente quando eu chegasse, aí ele falou “então né, posso te algemar enquanto você pega um cineminha?” e o cineminha dele era uma coisa muito legal que era uma parede inteira e tinha um projetor, parecia um cinema mesmo.


Jess: meu Deus que bizarramente genial o design dessa casa!


Beto: E colocava uns filmezinho adultos ali que tem uns gritos né? num volume alto.. ai me sentou na cadeirinha ali de frente pro cineminha, botou minha mão pra trás… e eu “você não vai me algemar nem fudendo!” e falei “pode deixar eu fico com a mão para trás aqui eu me comporto” …fizemos o que tinha que ser feito, obviamente, porque eu num ia perder viagem, porque eu era um jovem destemido e na hora que ele deu bobeira que ele virou para o lado dois segundos, sabe o quando você programa alarme do celular para ele tocar daqui 1 minuto?

“alô mãe? quê? não! tá bom, tá bom…não! eu já tô voltando pra casa, a festa já acabou já tô indo tô pegando o táxi”


Jess: ah não! ele meteu essa!


Beto: cara eu vou ter que ir embora que minha mãe tá preocupada por que eu emendei de uma festa, e óh [sinalizando com as mãos “ir embora”]


Zé Felipe: tem aquilo de ir buscar vó no jiu-jitsu


Beto: mas era tipo 5 horas da manhã… podia tá levando ela pra natação! hahaha


Jess: Crianças não façam isso em casa! não vão ser algemadas por uma pessoa que você nunca viu na vida e conheceu num chat de conversa!


Beto: O que as pessoas vão pensar de mim agora?


Jess: a sua reputação está no lixo!


Zé Felipe: a de vocês dois, tá? porque uma marca encontro e dá bolo, inventa desculpa. O outro sai com desconhecidos meio assim né…


Beto: sadomasoquista, num sei…


Jess: conte-nos sobre o cabaré do Zé…


Beto: é… eu só queria te lembrar de uma coisa Zé Felipe, que o senhor é uma pessoa jovem ainda tá? você tem muito por viver e eu sei que Hahaha você não vai aprontar…


Jess: essa cadeira ainda tem muito chão para rolar!


Beto: espera eu chegar até sua cidade pra você ver se eu não te acho aí para saber das histórias


Zé Felipe: pensei que ia era… enfim…


Jess: depois dessa podemos encerrar o episódio?


Beto: porque não?


Jess: o negócio tá saindo do controle!


Beto: o que que tá conhecendo meu Deus?


Jess: e chegamos ao fim de mais um episódio do Piranhas feche muito obrigada você que ouviu até aqui e nós temos uma grande novidade para anunciar! agora nós abrimos um apoia-se você acessa lá apoia.se/Piranhas você pode escolher a partir de qualquer valor para nos ajudar mensalmente a manter esse projeto cada vez mais forte cada vez mais para frente nós temos muitas ideias muitos planos a serem desenvolvidos a gente precisa do apoio de vocês! A partir de 1 real você já nos ajuda, mas a partir de 10 reais você já tem recompensas maravilhosas que eu não vou dar spoiler quer saber quais são as recompensas? clica no link da nossa bio lá do Insta ou acesse o link aqui na descrição do episódio pra saber como você pode nos ajudar! apoia.se/Piranhas!


Beto: E é isso aí a gente é um oferecimento do Vale PcD, um coletivo de pessoas com deficiência que são LGBTQIAP+ e toda transcrição de todos os episódios você encontra em valepcd.com.br


Zé Felipe: não se esqueçam também de nos acompanhar nas nossas redes sociais e no @PiranhasCast


Jess: É isso aí @piranhascast em todas as redes sociais, não é mesmo? eu sou @AcromataJesseu


Beto: eu sou o @BetoMaiaFilho


Zé Felipe: eu sou o @Zefellipee


Jess: e a gente espera vocês no próximo episódio e muito obrigade um grande beijo! tchau!


Beto: beijo!


Zé Felipe: até a próxima


61 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page